O que é

Onda Cidadã

Onda Cidadã é um programa permanente do Itaú Cultural, que busca analisar a produção das mídias autônomas e fomentar conhecimentos que sirvam de base para qualificar o campo da cultura livre no país.

Logo do Onda Cidadã

O termo Onda deriva das rádios livres e comunitárias, primeiras experiências de midialivrismo que o Onda Cidadã reuniu, em 2003, mobilizando pessoas e emissoras de rádio comunitárias, públicas e universitárias, a fim de estabelecer uma rede de troca de informações e experiências entre profissionais e dirigentes do setor.

Três anos depois, o programa ampliou suas atividades, passando a refletir sobre outras formas autônomas de comunicação além das rádios comunitárias: imprensa alternativa, blogs, fanzines, videoblogs, podcasts, mídia tática, arte tática.

Em 2007, o Onda Cidadã reuniu algumas das mais importantes e interessantes experiências em comunicação autônoma no Brasil, em seu primeiro fórum. No ano seguinte, a partir da sugestão dos próprios participantes desse encontro, o Itaú Cultural iniciou o mapeamento dessas experiências por todos os cantos do país. 

Histórico

O Onda Cidadã está no ar desde 2003, portanto já construiu uma história, a qual tentamos resumir a seguir.

Antecedentes

O projeto nasceu a partir de um desafio proposto pelo Itaú Cultural à OBORÉ (empresa prestadora de serviços que atua com comunicação popular), com o objetivo de reunir e mobilizar pessoas e emissoras de rádio comprometidas com a diversidade cultural, dedicadas e inclinadas às causas de interesse público.

2003 – Os primeiros passos

O Onda Cidadã realizou seu primeiro evento em setembro de 2003, na cidade de São Paulo, reunindo mais de 300 participantes, oriundos de 56 municípios e 16 estados. A ação contou com debates, seminários exibição de filme (Uma onda no ar, de Helvécio Ratton), além de um depoimento de Paulinho da Viola.

Ainda no mesmo ano, em 21 e 22 de novembro, o evento conheceu sua segunda edição, agora em Bauru. Como no primeiro, a proposta foi debater a interface entre rádio, cultura e educação. Mas desta vez o destaque foi o diálogo com as experiências locais: o palco foi dividido, todo o tempo, entre palestrantes da região ou da própria cidade e representantes da capital paulista.

 

2004 – Apoio às emissoras cidadãs

Em 2004, o Onda Cidadã passou primeiro pela cidade de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Realizado no Palácio das Artes, esta que foi a terceira edição do evento aconteceu como parte das atividades de lançamento de outro projeto do Itaú Cultural, o Rumos.

Em seguida foi para o Rio de Janeiro, em 23 de junho, resultado de uma parceria com o SENAC-RJ, que também sediou o seminário.

Nos dias 11, 12 e 13 de dezembro, em sua terceira edição no ano e quinta no total, o evento voltou a acontecer em São Paulo. Naquele momento, o Onda Cidadã se propunha atuar como articulador de gente que fazia ou queria fazer rádio, comprometido com a diversidade cultural, dedicado a apoiar novos caminhos para a educação e inclinado às causas de interesse público”, conforme indica a página da Oboré.

 

2005 – Inovação e motivação

Em 2005, de 23 a 25 de junho, o evento abrigou o 1º Encontro Nacional da ARPUB – Associação de Rádios Públicas, instituição nascida dentro do programa Onda Cidadã. Essa edição aconteceu na cidade de São Paulo e foi qualificada por Ney Messias, que viria a ser presidente da ARPUB, como “histórica, inovadora, surpreendente e motivadora” (in Encontro reúne rádios públicas, universitárias e comunitárias). O objetivo desse encontro foi o de discutir os modelos de radiodifusão existentes no país; as relações entre o rádio e a arte, a educação e a cultura; a difusão de conteúdos noticiosos; e o incentivo ao uso crítico e inovador do meio.

Nesse momento, o Onda já estava plenamente amadurecido e pronto para um salto de qualidade no que diz respeito ao seu formato e a seus objetivos.

 

2006 – Pluralidade de agenciamentos

No ano de 2006, o programa seguiu em frente e aprofundou o nível de diálogo.

Durante a Copa do Mundo da Alemanha, reuniu instituições e ativistas do campo popular: com formas de atuação e perspectivas políticas declaradamente democráticas e democratizantes, empenhadas na busca por cidadania e afirmação da potência das chamadas minorias e, finalmente, cujas inúmeras vozes se comunicam de maneira enfática – em outras palavras, produzem e atuam em rede.

Um olhar panorâmico sobre as participações e atividades que se estenderam ao longo dos 24 dias de evento logo demonstraria essa pluralidade: rádios comunitárias, organizações não governamentais, iniciativa de Mídia Tática, intelectuais, ativistas de inúmeros pontos do país representam as mais diferentes formas de atuação. Além disso, incluiu oficinas, exibição de filmes e uma espaço físico de redação, dedicado exclusivamente ao Onda Cidadã.

 

2007 – 1º Fórum Onda Cidadã

Em 2007, o Onda Cidadã deu outro importante salto de qualidade. O centro de gravidade do evento naquele ano foi a realização do 1º Fórum Onda Cidadã, que reuniu 41 experiências de comunicação autônoma de todo o país. Realizado no Circo Voador, na Lapa, na cidade do Rio de Janeiro, o próprio lugar que abrigou o evento contribuiu para que ele se tornasse um marco na trajetória do programa.

Divididos em cinco grupos temáticos – Audiovisual, Internet, Intersecções, Mídias Impressas e Rádio – os representantes de cada grupo discutiram o tema proposto para o Encontro: Sustentabilidade. Cada mesa contou com um relator, cujo objetivo era contribuir para o andamento da discussão e produzir um texto sobre os conteúdos acumulados na ocasião. Na órbita do fórum, aconteceram ainda oficina de imagem, mostra de vídeos produzidos por movimentos sociais e apresentações artísticas.

Ao final do fórum, os grupos e ativistas presentes priorizaram uma única reivindicação: que o Itaú Cultural desenvolvesse um mapeamento das experiências de comunicação autônoma no país e, ao mesmo tempo, promovesse um espaço de trocas e partilha para essas mesmas experiências.

 

2008 a 2010 – Mapeamento de mídias autônomas

Entre 2008 e 2010, o programa Onda Cidadã se concentrou em duas frentes.

A primeira – que atendia à primeira reivindicação feita no fórum de 2007 – residiu na realização do Mapeamento de Mídias Autônomas no Brasil, atualmente composto por mais de 250 iniciativas de midialivrismo e ativismo cultural de todo o país. Com ênfase nas experiências com mais de dois anos de existência, a pesquisa aborda os seus veículos de comunicação, as formas de sustentabilidade, as metodologias de trabalho, os tipos de profissionais, os públicos preferenciais, enfim, toda uma gama de informações sobre a cadeia produtiva do que tem se chamado de “cultura livre” no Brasil. O mapeamento, em 2009, abarcou 100 instituições. Em 2010, mais 150. Em 2011, mais 100, totalizando 350 experiências consideradas referências no Brasil. Os resultados do estudo começaram a ser disponibilizados ao público em agosto de 2011.

A segunda atividade consistiu na participação do Onda Cidadã em programas de outras instituições ou de outras gerências do próprio Itaú Cultural: Antídoto, GIFE, Iguacine e Catraca Livre.

Oficinas de cobertura realizadas durante edições do Antídoto – Seminário Internacional de Ações Culturais em Zonas de Conflito envolveram mapeados do programa e geraram blogs específicos e pontuais:

www.ondacidada2008.wordpress.com

www.ondacidada2009.wordpress.com

www.ondacidada2010.wordpress.com

 

2011 e 2012 – Assumir o Compromisso

No período, além de continuar a mapear as experiências de mídia autônoma no Brasil, o programa realizou diversas ações presenciais.

Entre 23 e 25 de junho de 2011, no âmbito do evento Estéreo Saci-Lixo, Moda e Preconceito (organizado pela área de Música do Itaú Cultural) – foi realizado o 2º Fórum Onda Cidadã. Foram convidados 12 ativistas e instituições, sempre atendendo ao princípio de diversidade regional, que se reuniram na sede do Itaú Cultural na cidade de São Paulo, visando discutir o mapeamento – além de participar de palestra-oficina da professora Beá Meira. Na oportunidade, também foi apresentado o site do Onda Cidadã, que representa o cumprimento do segundo compromisso assumido no primeiro fórum, o de desenvolver um espaço para trocas e partilhas entre as iniciativas mapeadas.

 

O 3° Fórum Onda Cidadã aconteceu dias 23 e 24 de agosto de 2012, também na sede do Itaú Cultural. Para fomentar o debate e apresentar resultados do mapeamento, foram convidados midialivristas e ativistas culturais de todas as regiões brasileiras. Entrevistas com alguns deles geraram uma série para o programa Jogo de Ideias, atualmente disponível no blog. Assista aqui: Parte 1Parte 2Parte 3 .

 

2013 – 10 anos de Onda Cidadã

Para celebrar os 10 anos da atividade, o programa levou mais de 30 midialivristas de diferentes partes do Brasil, à sede da Fundação Casa Grande, na cidade de Nova Olinda, no interior do Ceará, entre 24 e 27 de julho de 2013.

O Fórum #OndaCidadã10 (o quarto realizado pelo programa), o tema principal foi a Formação para a Cultura Livre. O crescimento do campo independente de mídia e cultura no Brasil e as demandas concretas de qualificação e capacitação foram analisados sob ótica da importância das novas mídias nos protestos que tomaram diversas partes do país ao longo do ano.

Além dos debates em e grupos de trabalho, o fórum teve oficinas, inclusive capacitação para jovens da fundação em audiovisual e blogagem, que gerou o blog especial: www.forumondacidada10anos.wordpress.com

 

 

Blog Onda Cidadã

 

Itaú Cultural

Presidente: Milú Villela

Diretor Superintendente: Eduardo Saron

Superintendente Administrativo: Sergio Miyasaki

 

Núcleo de Audiovisual e Literatura

Gerente: Claudiney Ferreira

Coordenadora: Kety Fernandes

Edição e produção de conteúdo: Ricardo Tayra